Escritor: não somente uma certa maneira especial de ver as coisas, senão também uma impossibilidade de as ver de qualquer outra maneira.
Carlos Drummond de Andrade

terça-feira, 15 de setembro de 2009


Nascer de Novo

“Nascer: findou o sono das entranhas.
Surge o concreto,
a dor de formas repartidas.
Tão doce era viver
sem alma, no regaço
do cofre maternal, sombrio e cálido.
Agora,
na revelação frontal do dia,
a consciência do limite,
o nervo exposto dos problemas.

Sondamos, inquirimos
sem resposta:
Nada se ajusta, deste lado,
à placidez do outro?
É tudo guerra, dúvida
no exílio?
O incerto e suas lajes
criptográficas?
Viver é torturar-se, consumir-se
à míngua de qualquer razão de vida?”

Carlos Drummond de Andrade


Análise: Esse texto nos mostra a beleza e a maturidade de versos como [a dor de formas repartidas] ou [o nervo exposto dos problemas]. Também a grandiosidade das perguntas no final da segunda estrofe, dentre as quais [Viver é torturar-se, consumir-se/ à míngua de qualquer razão de vida?]. Isto apenas demonstra que o poeta, ao longo de sua existência e da publicação de seus livros, nos trouxe um manancial fabuloso da melhor poesia, construiu um caminho por onde trafegamos comovidos, estarrecidos, dissolvidos, absorvidos por versos que nos contaminam com uma percepção clara e rara de ver as coisas.

Aroldo Ferreira Leão

Por: Andressa Câmara

Nenhum comentário:

Postar um comentário